E se um funcionário "produtivo" também é chantagista?


“Aquele funcionário era da ‘pá-virada’. Pela quarta ou quinta vez ele foi à minha sala com suas queixas, que não dava mais para trabalhar por aquele salário e que se não fosse possível aumentar seus ganhos, ele pediria demissão. Das outras vezes foi possível rever a situação e como já estava próximo das avaliações de desempenho e possível ajustes nos salários, seus pleitos foram atendidos. Só que agora foi perceptível que ele estava se aproveitando de uma situação para ‘forçar a barra’. Valter era um bom funcionário, fazia bem suas tarefas. Infelizmente, agora estava abusando disso. Percebendo o jogo, eu não disse nada para ele. Na hora liguei para a pessoa de RH e disse que Valter passaria por lá e que estava pedindo demissão. Instruí o RH de que poderíamos atende-lo e até dispensa-lo do cumprimento do aviso prévio. Virei-me para Valter que estava à minha frente e disse-lhe que poderia passar pelo RH. Valter fitou-me por alguns segundos que lhe pareciam uma eternidade. Saiu de minha sala sem dizer nada. Passados alguns minutos, liguei novamente ao RH e perguntei do Valter. Ele disse que ele não aparecera até então. Bem, na verdade, ele não apareceu nunca no RH e também não mais em minha sala. Pelo menos não para fazer chantagem.”

Você também tem um funcionário que trabalha há muitos anos em sua empresa, que tem sido bom até então, e que todas as vezes que você quer implementar novas ações ele sempre reclama que não vai dar certo? Ou está sempre criando algum tipo de problema?


Você não está sozinho! Veja esse caso que pode ser o semelhante ao seu:


Há poucos dias um cliente queixou-se que sua representante não queria prestar contas de suas atividades externas, que era bobagem esse negócio de relatórios, números, controles, etc. Já trabalhava na empresa há 10 anos. O cliente estava seguro de que se não tivesse informações, não poderia trabalhar no seu planejamento de marketing. De fato, se você não tiver números, não tem controle. E se você não tem controle, você não gerencia.

O pior é que a representante ainda “batia boca” com o empresário. Depois de conversarmos, ele reuniu coragem e dispensou a funcionária. O próprio empresário começou, em princípio, fazer as visitas aos clientes e explicar a situação e sentir o mercado.

Sabe o que ele me disse depois? “A melhor coisa que fiz foi dispensar a representante.”


Ele descobriu clientes que não eram visitados há quase um ano. Apesar dos treinamentos que eram dados para visitação, os folders eram entregues sem nenhum comentário. Muitos clientes reclamaram, mas continuavam indicando a empresa porque o empresário havia visitados esses clientes inicialmente. E mais, o clima interno da empresa melhorou. Os colegas também tinham restrições àquela representante.


Esses são casos isolados?


Não, vou te contar outra história verídica.

Meu telefone tocou as 17h. Reconheci o número pelo identificador de chamadas. Outro cliente dizendo que estava tendo grandes problemas com uma funcionária-chave.


“Eu não aguento mais. Deu outro ‘ataque’ nela. Saiu dizendo que estava desistindo. E eu não posso perde-la neste momento. Ela é a responsável pela minha produção e sem ela minha produtividade cairá muito até colocar outra pessoa para assumir o comando.”


Detalhe: ela sabia disso.


“Eu disse para ele: - Opa, que boa notícia! Então ela se foi? Separe todas as coisas dela, coloque numa caixa e deixe na entrada da empresa. Assim que ela chegar no dia seguinte – eu sabia que ela voltaria – diga-lhe que você aceitou seu pedido de demissão."


Comentamos num artigo anterior (veja o post “Tenho um funcionário improdutivo – O que eu faço?) que, embora não façamos apologia de dispensar funcionários, chega o momento de aplicar a técnica do jardineiro e fazer a poda. Assim como uma plantinha que fica doente e o jardineiro, depois de fazer de tudo para cura-la precisa fazer a poda, o empresário também deve livrar-se dos empregados “doentes”, ainda que eles representem uma boa parcela da “receita”.


Entre as piores coisas para formar uma equipe coesa e comprometida, é precisar “pisar em ovos” com algum desses colaboradores e todos os demais perceber isso.


Você talvez pergunte agora: “E como posso evitar contratar funcionários com esse tipo de comportamento?”


Teremos um artigo falando disso. O que podemos adiantar é que, além de para cada função ser necessário contratar pessoas com um estilo próprio ao setor, lembre-se dessa máxima:


“Contrate caráter, treine habilidades.”


Você já leu isso em algum lugar, não é verdade?


Outra coisa: não tenha pressa em contratar; contrate a pessoa certa.

O oposto também é verdadeiro: não demore para demitir pessoas que não reagem a ajuda e treinamento, ou pessoas que podem contaminar outros dentro de sua empresa. Eles envenenam seu ambiente de trabalho, você perde a força dos bons funcionários e cria um caos em sua base de clientes.


Talvez você odeie demitir tanto quanto eu.


Agora, cá entre nós, nunca permita que um funcionário fique numa condição de ‘bater os pés’ na sua frente. Depois de várias tentativas buscando ajudá-lo, sem êxito, demita-o.


Não há desculpa para manter um funcionário “produtivo” e também chantagista.


Por quase dois meses, nós demos coaching para esse empresário onde falei sobre se livrar de seus empregados "doentes", não importando o quanto de receita gerassem. Durante esse tempo, eu percebi que sua equipe "pisava em ovos" e, em geral, mostravam um ódio quase total quanto ao seu ambiente de trabalho. Finalmente, com este desabafo, ele teve coragem de fazer o que eu pedi para fazer. Ao longo dos dias subsequentes, cada membro da equipe veio a ele em particular e expressou agradecimento e apreço por se livrarem desse descontentamento. A atmosfera do negócio mudou totalmente, e a renda perdida foi refeita em cerca de 6 meses, com a adição de um novo membro a equipe que se encaixou bem nela.


Vamos ser honestos uns com os outros. Há muitos de vocês aí fora, segurando os funcionários que deveriam ter demitido há muito tempo. Por que mantê-los? Talvez eles tenham muita informação para simplesmente perdê-los? Talvez eles tenham a chave para a um cliente rentável que você simplesmente não pode perder?


Seja qual for a razão, não há DESCULPA para mantê-los em sua equipe, enquanto eles envenenam seu ambiente de trabalho, você perde a força de bons funcionários, e cria um caos em sua base de clientes. Por que você está evitando isso?


Talvez você odeie o confronto e então tenha medo de sua reação. Eu entendo sua dor, pois eu já tive que demitir funcionários em muitas ocasiões. É, de longe, a tarefa mais desagradável que eu já fiz como proprietário de uma empresa. No entanto, eu sabia que as consequências de não fazer a tarefa difícil gerariam ainda mais discórdia, demissões, e clientes perdidos.



#empreendedorismo #businessman #businesswoman #businesscoach #coaching #coach #training #digitalmarketing #dicas #motivação #sucesso #êxito #conhecimento #dicasdeblog #liderança #empresário #equipe #funcionário

49 visualizações

© 2020 Pitcher Coaching | Todos os direitos reservados

CONTATO

E-mail: contato@pcge.com.br

Cel.: +55 16 98111-0400 / 98115-4000

SIGA-NOS

  • Facebook
  • YouTube
  • LinkedIn